Informações


Caoa assume metade da operação da Chery; sindicato projeta investimento para Jacareí

Resultado de imagem para chery e caoa

 

 

A CAOA assumiu nesta segunda-feira (13) metade da operação da montadora Chery no Brasil. A parceria tem a expectativa de reverter o fracasso de vendas e metas, impostas pela multinacional chinesa, para atuação no Brasil. O Sindicato dos Metalúrgicos, que representa os trabalhadores da empresa, está otimista sobre o futuro da planta.

A fábrica aberta em 2014, no início da crise econômica, colocou como meta até 2018 ter 3% do total de vendas de carros 0Km no país e 3 mil funcionários. No mês passado, a empresa fechou o balanço com 0,2% de mercado e emprega 400 empregados. Por dia são produzidos 30 carros, abaixo da capacidade operacional da fábrica - que produz os modelos QQ e Celer.

Além disso, o histórico da unidade foi marcado por greves e ociosidade. A última paralisação, no mês passado, durou 30 dias. Sindicato e Chery travaram uma batalha por reajuste nos salários dos operários. O cenário, para os trabalhadores, era de incerteza.

Com as metas adiadas, a Caoa Chery, nova montadora nacional, pretende retomar o ritmo da fábrica. Para o grupo Caoa, assumir o controle acionário da Chery, vai possibilitar a introdução de movas tecnologias e novos produtos no mercado. A chinesa adiou no último mês o lançamento do Tiggo 2.

A Caoa tem sede em uma fábrica em Anápolis (GO), onde produz a marca Hyundai, além de uma rede de 180 concessionárias pelo país e que empregam 3,4 mil pessoas.

Investimento

O investimento anunciado pela nova empresa é de US$ 2 bilhões de dólares nos próximos cinco anos.

Mas, mais que o valor, a união das empresas representa para os trabalhadores de Jacareí segurança. A Caoa Chery não fez nenhum anúncio específico sobre a planta, mas os trabalhadores e o sindicato avaliam que a parceria será positiva.

"Nos dá uma certa segurança porque conhecemos a CAOA. A CAOA já tem parceria com outra empresa. Espero que ela venha levantar a Chery e isso signifique emprego garantido", disse um empilhadeirista.

 

Para o diretor do sindicato Guirá Borba, o momento é bom para recuperação da montadora. "A Chery chegou ao Brasil em um momento de crise, de mercado automotivo em baixa. Agora essa fusão vem em momento de recuperação do mercado. A expectativa é grande para que a empresa aumente a produção, os investimentos e os postos de trabalho em Jacareí", disse.

A Chery informou que a partir de agora as informações sobre a montadora serão divulgadas pelo grupo CAOA.

 

 

 

 

 

Fonte: G1/Globo